10 de dez de 2011

BRASIL, pra frente, Eduardo Presidente


Com muita alegria e esperança, nós Socialistas do Diretório Municipal de Botucatu, assim como os demais militantes do PSB - Partido Socialista Brasileiro, apoiamos uma candidatura própria já nas eleições de 2014 para Presidência da República.
No próximo ano de 2012, contando com o apoio dos principais líderes nacionais e estaduais nossas bases estarão ainda mais unidas e articuladas, tendo como objetivo manter e aumentar o percentual de representatividade do partido nos municípios.
Para conseguir colocar em prática o jeito PSB de administrar, temos plena consciência da importância de dialogar com todas as legendas, pois temos profundo respeito por todas elas, e acreditamos que cada legenda pode contribuir de maneira positiva para alavancar o desenvolvimento social, produtivo e econômico do BRASIL.
Primeiro os interesses do povo brasileiro e do BRASIL!

PSB se desvincula do PT e já sonha com o Planalto
Notícia: estadao.com.br - 02/12/2011
Jornalista: João Domingos


BRASÍLIA - Aos gritos de "Brasil, pra frente, Eduardo presidente", por parte de militantes partidários, o PSB abriu nesta sexta-feira, 2, o seu 12.º Congresso do partido, em Brasília, mostrando que já inicia uma ofensiva para se desvincular do PT nas eleições presidenciais de 2014 e até ter uma candidatura própria. Ou, se repetir a aliança, ter cacife suficiente para tomar o posto de vice, hoje com o PMDB.

Para tanto, o objetivo do PSB é crescer nas eleições municipais do ano que vem.
Eduardo Campos disse que o partido participará do pleito em 4 mil municípios, com cabeça de chapa em cerca de 1,5 mil. Nas contas do partido, será possível eleger perto de 500 prefeitos. Hoje, o PSB tem 302. O partido faz as contas. Quando Luiz Inácio Lula da Silva venceu a eleição em 2002, o PT fez 292 prefeitos.

"Nosso partido foi o que mais cresceu em 2008, em 2010 e será também o que mais crescerá em 2012", proclamou Campos, para delírio da plateia que tomou o Auditório Petrônio Portella, no Senado. De acordo com informações de bastidores do PSB, para crescer o partido decidiu abrir o leque de alianças no ano que vem. Fará parcerias com os aliados tradicionais, como PT, PC do B e PDT, além do recém-criado PSD e do PSDB.
Embora já tenha sido procurado por integrantes da direção do partido que o consultaram sobre a possibilidade de se candidatar a presidente em 2014, Campos preferiu dizer que, por enquanto, prefere esperar o resultado das eleições do ano que vem.
Ele se sente em dívida com o ex-presidente Lula, que o nomeou ministro da Ciência e Tecnologia logo depois que a Justiça o inocentou do processo de fraude em precatórios, durante o governo do avô, Miguel Arraes, no final dos anos 90. Lula o ajudou a se eleger governador de Pernambuco em 2006.

Nos bastidores, o governador tem dito que se sente numa encruzilhada. De um lado, deve fidelidade a Lula e, por extensão, a Dilma Rousseff. Por outro, vê-se fortalecido por um partido que está crescendo e por incentivos para que se prepare para uma candidatura no futuro, talvez não em 2014, mas em 2018, vindas do próprio Lula.

"O PSB tem feito muito bem para o Brasil e bem para os locais onde governa. Há uma grande frente de esquerda no País que tem dado certo. E estamos crescendo muito. Com isso, cresce a nossa responsabilidade", afirmou o governador.

8 de set de 2011

Em Brasília - FÓRUM Nacional de Gestores Municipais de Juventude

Na foto:
Sr. Paulo Malagutte, Assessor de Inclusão Social da Prefeitura Municipal de Botucatu e,
Sra. Severine Macedo, Secretária Nacional de Juventude - Governo Federal
O município de Botucatu esteve presente na 2ª Reunião do Fórum Nacional de Gestores Municipais de Juventude ocorrida em Brasília nos dias 05 e 06 de setembro. O objetivo principal deste Fórum, que tem caráter permanente, é a busca pelo fortalecimento das relações entre os municípios brasileiros que têm dentre suas ações iniciativas voltadas para a execução de políticas de juventude em articulação com os estados e a união.

O desafio principal apontado durante as reuniões foi a necessidade do reconhecimento da juventude, pelas prefeituras, como um segmento portador de direitos, protagonistas do seu desenvolvimento e peça fundamental para o desenvolvimento brasileiro. Temas também apresentados na construção da Conferencia Nacional da Juventude de 2011 a ser realizada em dezembro próximo.

Outro momento importante do Fórum foi a apresentação das estruturas já constituídas para este seguimento, como é o caso da Secretaria Nacional de Juventude, o Conselho Nacional de Juventude e a aprovação da PEC da Juventude, como espaços essenciais para a consolidação das Políticas de Juventude em todo o território nacional.

Ficou como deliberação do Fórum Nacional de Gestores Municipais de Juventude a necessidade da superação de desafios, sobretudo com vistas a harmonização da educação de qualidade e a materialização de iniciativas que promovam a boa colocação da juventude no mercado de trabalho. Estas foram identificadas como condições fundamentais na construção das políticas de inclusão da juventude e que certamente incidirão de forma positiva sobre os indicadores de desenvolvimento social do país nos próximos anos.

Observação: A Juventude brasileira (15 aos 29 anos) representa aproximadamente 20% da população brasileira (Fonte: IBGE)

25 de jul de 2011

MÁRCIO FRANÇA - Trajetória

Márcio França iniciou sua carreira no movimento estudantil. Durante o curso de Direito, foi Presidente do Diretório Acadêmico e da Junta Governativa do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Católica de Santos. Casado, dois filhos, atuou como Oficial de Justiça durante 9 anos.

Em 1989, aos 26 anos, foi eleito   Vereador da Câmara de São Vicente,  onde permaneceu por dois mandatos. No ano de 1997, tornou-se Prefeito, tendo a possibilidade de desenvolver várias ações que colocaram a cidade como destaque nos cenários nacional e internacional.
Prova de gestão bem sucedida foi sua reeleição para a Prefeitura em 2000, quando obteve 93,1% dos votos válidos, o recorde brasileiro em cidades acima de 100 mil eleitores. Em 2004, terminou seus dois mandatos com 94% de aprovação popular, segundo o Ibope. No final do mesmo ano, elegeu seu sucessor, o prefeito Tércio Garcia (PSB), com 83% dos votos válidos, o recorde brasileiro do ano.
Durante sua passagem pela Prefeitura, ganhou vários aliados e amigos, como o saudoso ex-governador de São Paulo, Mário Covas. "Não tenho receio em liberar recursos para o Márcio França   porque vejo que ele gasta bem o dinheiro", dizia.

Em 2007, aos 43 anos, Márcio França começou seu primeiro mandato como Deputado Federal. Logo no início, assumiu a liderança do PSB na Câmara dos Deputados e criou a terceira maior força  política  do  Congresso Nacional,  reunindo num  único  bloco 79 parlamentares de seu partido, o PSB, além do PDT, PC do B, PMN, PAN, PRB e PHS.

Nesta eleição, Márcio França obteve 215.388 votos, que o tornou o Deputado Federal mais bem votado em toda a história do litoral paulista e o 20º mais bem votado do País.
O desempenho eleitoral de Márcio França é resultado de muito trabalho e compromisso com a população. O jornalista Clóvis Vasconcellos, autor do livro O Segredo de Márcio França, define seu estilo muito bem. "Márcio França faz política por meio de ações pragmáticas e rápidas. Ele entende que a população não pode esperar e precisa de resultados urgentes e se vê obrigado, quando governa, a vencer os entraves burocráticos para alcançar suas ambiciosas metas sociais", relata.
E o reconhecimento demonstra que esse é o caminho. Durante seu mandato como Deputado Federal, Márcio França integrou por quatro vezes consecutivas, em 2007, 2008, 2009 e 2010, a lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional, segundo pesquisa do Diap, entidade que reúne 900 sindicatos de trabalhadores em todo o País. Feito inédito para um Deputado de São Paulo eleito pela primeira vez para a Câmara Federal.
Com 172.005 votos, Márcio França foi reeleito para mais um mandato na Câmara Federal em 2010. Foi, novamente, o mais votado do Litoral Paulista. E neste pleito, em razão do seu trabalho como presidente do PSB no Estado de São Paulo, conseguiu praticamente dobrar a bancada paulista, passando de quatro para sete deputados. Foi um aumento de 70%, com ao todo 2 milhões e 100 mil votos, tornando a legenda a terceira maior força de São Paulo na Câmara dos Deputados.
No final de 2010, recebeu o convite do Governador Geraldo Alckmin para tornar-se Secretário de Turismo do Estado de São Paulo, licenciando-se de seu cargo como Deputado. A Secretaria traz pela frente um novo desafio, pois é uma pasta que acabou de ser desmembrada do esporte e escassos recursos financeiros.

Filiado ao PSB desde 1988, sua única legenda desde então, Márcio França também é Secretário Nacional de Finanças do partido.